• Fǎ Lóng Sì - Facebook
  • Fǎ Lóng Sì - YouTube
  • Fǎ Lóng Sì - Instagram

(54) 3244-6027

wuhaishifu@gmail.com

Templo Budista

Loteamento Alpes de São Francisco, Rua 3 - 401

São Franciso de Paula, RS - CEP: 95400-000

Agende sua visita nos telefones indicados.

 

Se estiver de passagem pelo local e REALMENTE tiver tempo para sentar e ouvir Ensinamentos sobre Budismo diretamente do Shifu (monge), todos são muito bem-vindos para tocar o sino do portão.

 

Reuniões aos Sábados ou Domingos, a partir das 15h.

Cadastre-se para participar por vídeo, caso não possa comparecer .

A MENTE ILUMINADA: O QUE É, O QUE NÃO É!



Dajia hao!


Fala-se muito em “ser iluminado”… Basta alguém famoso morrer que, no funeral, os entrevistados vão definir o falecido como “um gênio, um ILUMINADO!”. Exageros à parte, vamos entender o que é, na definição buddhista (budista), a Iluminação.


Nós buddhistas (budistas) acreditamos que estamos renascendo, existência após existência, sob diversas formas, há zilhões de anos. O que nos mantém presos a esse turbilhão de existências contínuas é o nosso apego. Nos apegamos às coisas ruins e também às boas! Estamos sempre criando conceitos em cima de conceitos e, além de não nos desfazermos dos conceitos antigos, nos apegamos rapidamente aos novos, criando em nossas mentes um infindável depósito de ideias, muitas vezes radicais, que consideramos parte fundamental de nosso ser! Somos assim… e ponto! Isso é o nosso veneno e nossa condenação a permanecermos no Samsara, o termo técnico para o ciclo existencial.


O objetivo de um buddhista, sério e consciente, sem distorções sobre o que o Buddhismo (Budismo) realmente é, tem que ser a redução, tanto quanto possível, de toda essa bagagem conceitual. Somente quando não tivermos mais conceito sobre coisa alguma, poderemos alcançar a tão falada Iluminação.


Vejam bem, estamos constantemente pensando de forma DUALÍSTICA. Amamos muitas coisas, odiamos outras tantas… Temos mil desejos e mil aversões! Nossa mente, o tempo todo, funciona dessa forma: bom x ruim, amo x odeio, quero x rejeito… Quero mais e mais, não posso nem ouvir falar… É assim que funciona a mente de todos os seres, não somente nós humanos, mas os animais, dentro de suas limitações, não têm discernimento para controlar seus desejos, seus instinto, seus impulsos. Nós Humanos somos os únicos seres capazes de controlar nossa dualidade, nossos ímpetos, nossos desejos. Esse é o trabalho do Buddhismo em nossas vidas – nos purificar, nos manter conscientes e alertas a tudo o que nossa mente, desvairada – coitada – exige de nós o tempo todo!


Nosso trabalho tem que ser constante, de atenção a cada segundo! Tarefa nada fácil – é claro! Mas é o único jeito de alguém se iluminar.


A Iluminação é a AUSÊNCIA TOTAL DE DUALIDADE, é o CONCEITO ZERO, é não ter mais nada do que gostar ou desgostar… Nada para amar nem odiar… Concordo se vocês disserem que é dificílimo imaginar uma mente assim – totalmente livre de qualquer opinião! Pode parecer até uma “lavagem cerebral”, alguém pode até dizer que isso é virar “zumbi”, mas não é verdade! A mente iluminada se enche de Sabedoria verdadeira sobre todas as coisas e, ainda assim, isso não faz mais diferença alguma! Quem se ilumina, ganha o título de BUDDHA (Buda), se torna um buddha, alguém com a mente livre de qualquer conceito, apego, preocupação, discriminação, raiva, inveja, amor, ciúme, preferência…


Só assim a mente DESCANSA, de verdade e para sempre! Enquanto houver qualquer resquício de DUALIDADE, qualquer conceito, por menor que seja, não pode haver Iluminação, não pode haver ESTADO MENTAL DO NIRVANA.


O que havia na mente do Buddha, não era qualquer tipo de sentimento, bom ou ruim. Ele não era amor, nem bondade, nem compaixão! Se fosse esses sentimentos, se ainda mantivesse tais sentimentos na mente, obrigatoriamente teria que ter seus OPOSTOS! O que sempre permaneceu na mente do Buddha foi o ENTENDIMENTO CORRETO. Ele entendia perfeitamente nossas necessidades, nossas carências, nossa dependência de tantas coisas e, SOMENTE por isso, ele se dedicava a orientar a todos que o procurassem.


Como vocês podem ver, é uma grande tolice chamar alguém de ILUMINADO só porque tinha alguns talentos específicos e morreu… Isso nada tem a ver com Iluminação verdadeira. Assim como esperar que um buddha atenda a seus desejos, lhe ajude, lhe escute e sofra ou se comova com seus problemas pessoais é, também, uma enorme tolice! Mesmo que estivesse vivo em algum lugar e pudesse nos ver ou ouvir – o que não é verdade – o Buddha não se comoveria com as aflições mundanas de A, B ou C para ajudar em qualquer coisa. Ele, mesmo quando ainda em vida, já tinha sua mente descansando no ESTADO NÃO CONCEITUAL DO NIRVANA, por isso não era função dele salvar a fulano ou sicrano… Quem espera ter seus desejos atendidos através de pedir ajuda ao Buddha, está perdendo tempo precioso de entender o que é realmente o Buddhismo e tratar de resolver a própria vida da maneira correta – ESFORÇO PRÓPRIO!


Reduzam seus conceitos, purifiquem a mente através da prática constante dos Cinco Preceitos! Evitem todo o mal, pratiquem somente o bem e mantenham pura a própria mente! Quanto menos apego tiverem aos seus conceitos, aos seus amores e ódios, mais perto estarão da prática verdadeira do Buddhismo e, consequentemente, da Iluminação, da mente em Estado Mental do Nirvana!


Fiquem todos em Paz e protegidos!


Monge Wu Hai Shifu

48 visualizações