KALIYUGA: A ÚLTIMA ERA DO UNIVERSO • A ERA DO DEMÔNIO KALI

Atualizado: Out 11



Sukhí Hôtu!


Esta não é uma postagem do HINDUÍSMO, mas uma postagem BUDDHISTA (BUDISTA) que aborda um tema hindu. Como sabemos, o Buddha (Buda) viveu em uma sociedade de cultura e religiosidade hindu, portanto, é natural que, assim como o cristianismo surgiu a partir do judaísmo, o Buddhismo (Budismo) teve sua origem nas tradições do hinduísmo. Na verdade, muitos hindus consideram o Buddha como um reformador das regras hindus que vinham sendo desrespeitadas e enfraquecidas durante os anos e muitos hindus até consideram o Buddha como uma “reencarnação de Krisna”, que teria voltado ao mundo para pregar o princípio de AHIMSÁ, a não-violência.


Mas o motivo principal desta matéria é abordar, especificamente, o período do Universo chamado de KALI YUGA. O Buddha nunca negou esse aspecto do hinduísmo que afirma que a duração do Universo está dividida em quatro grandes eras, com diferentes períodos de duração e com características próprias. Ao fim de cada era, todo o Universo se reformula e a forma de vida de seus habitantes melhora ou piora. Ainda segundo esta crença, o Universo inteiro e, obviamente, aqui estamos incluídos, está vivenciando o Kali Yuga. A palavra YUGA significa era, período de tempo e KALI não se refere aqui à deusa Kali do hinduísmo, esposa do deus Shiva, mas sim a um poderoso demônio que rege esse período. Ao mesmo tempo, Kali significa DISCORDÂNCIA, confusão.


Segundo o Vaishnavismo (conhecido no Brasil como “Hare Krishna”) a Era de Kali começou quando Krishna deixou este mundo, em 17 de Fevereiro de 3.102 a.C. e terá a duração de 432.000 anos. Assim, podemos calcular que já durou por 5.121 anos e ainda faltam 426.879 anos para terminar. Considerando que estamos em 2020, Kali Yuga vai terminar no ano de 428.899 da nossa contagem dos anos.


Já que o Kali Yuga começou com a partida de Krishna e o Buddha é bastante posterior à existência de Krishna, fica óbvio que o Buddha nasceu já durante o pleno andamento da Era de Kali.


Agora vejamos algumas características deste longo período e como tantas coisas que vemos hoje no mundo se enquadram perfeitamente no que se conceitua sendo como uma era de confusão, discordância e aberrações. Considerem aqui que muitas das características se referem exclusivamente à religião hindu e seus conceitos a respeito da sociedade, porém, muitos dos 50 itens mencionados têm tudo a ver com o modo como o mundo se encontra atualmente e isso fica bem claro. Vejam:



1. As pessoas não pensarão duas vezes antes de cortar árvores ou destruir bosques.


2. Todos comerão o mesmo tipo de alimento (ou seja, não terão discernimento em questões de alimentação e hábitos alimentares).


3. Mesmo tendo a aparência externa de santos, as pessoas se entregam ao comércio e à atividade comercial.


4. Durante Kaliyuga, um homem será amigo apenas de sua esposa. Um homem considerará como seus parentes apenas aquelas pessoas que são relacionadas a ele por meio de sua esposa.


5. Quem tem dinheiro será considerado nobre e de boas qualidades. Aquele que tem o poder em suas mãos poderá dirigir o curso da justiça a seu favor.


6. Quem não tem dinheiro e não pode subornar será privado de justiça pelos tribunais.


7. As pessoas consideram locais distantes no exterior como peregrinação, mas negligenciam as peregrinações perto delas (por exemplo, morar com os pais e servi-los).


8. Os brahmins (classe dos sacerdotes) começarão a realizar as tarefas que, de outra forma, os shudras (serviçais) deveriam realizar.


9. Brahmins se absterão de sacrifícios e do estudo dos Vêdas (escrituras sagradas do Hinduísmo).


10. As pessoas vão parar de fazer ofertas aos seus ancestrais.


11. Os brâmanes (sacerdotes) começarão a comer qualquer coisa (ou seja, eles se tornam indiscriminados em seus hábitos alimentares).


12. Os homens terão uma vida útil mais curta e serão fracos em força. Eles serão fracos em energia e coragem.


13. Durante o Kaliyuga, as mulheres usam a boca para a cópula (sexo oral).


14. Sob o peso da tributação excessiva, os chefes de família se transformarão em ladrões.


15. Nos Ashramas (locais de retiro de meditação), os brahmacharis (mestres que ensinam) se entregarão à má conduta e cederão aos desejos do mundo. Os Ashrams estarão cheios de exibicionistas que são especialistas na arte de viver da comida dos outros.


16. Quando Kaliyuga degenera ainda mais, as pessoas que seguem o Dharma (Lei de Ensinamentos Religiosos) parecem ter uma vida cada vez menor.


17. As pessoas vão vender mercadorias com pesos falsos. Haverá muito engano associado ao comércio.


18. Perto do final de Kaliyuga, o jovem age como o velho. A conduta que convém aos jovens é vista nos velhos. Os velhos pensarão como crianças e os jovens terão a inteligência dos velhos.


19. Em Kaliyuga, as pessoas abreviam a verdade; por causa desse dano à verdade, a expectativa de vida é encurtada.


20. Brahmins (a classe dos sacerdotes), Kshatriyas (a classe dos Militares e Governantes) e Vaishyas (a classe dos Homens de Negócios) gerarão filhos uns com os outros e se tornarão como shudras (Serviçais), desprovidos de austeridades e verdade.


21. Devido à escassez de vacas, as pessoas recorrerão ao consumo de leite de cabra e ovelha.


22. Em Kaliyuga, as regras sobre o que deve ser comido são transgredidas.


23. Os brâmanes não cumprirão os votos sagrados, mas irão criticar os Vedas (as escrituras do Hinduísmo). Iludidos pela lógica, eles abandonarão a adoração e os yajnas.


24. No final de Kaliyuga, o mundo será dominado pela conduta mlechha. Não haverá ritos e sacrifícios. Haverá infelicidade em todos os lugares e nenhum festival será celebrado.


25. Os homens roubam as posses dos outros, mesmo as das viúvas.


26. Os homens aceitarão alegremente presentes dados até mesmo pelo mal.


27. Quando o fim de Kaliyiga estiver próximo, os Kshatriyas (Militares e Governantes) serão os espinhos do mundo. Eles não protegerão os outros.


28. Ninguém vai pedir a mão de uma garota em casamento; ninguém dará devidamente uma garota em casamento. Quando Kaliyuga estiver totalmente madura, os homens e mulheres escolherão seus próprios cônjuges.


29. Os reis, descontentes com o que possuem, usarão todos os meios possíveis para roubar a propriedade de outros.


30. Quando Kaliyuga estiver totalmente avançado, uma mão roubará da outra.


31. Os covardes se orgulharão de sua bravura e os bravos estarão imersos na depressão como covardes.


32. Durante os estágios finais de Kaliyuga, não haverá mais Brahmins, Kshatriyas ou Vaishyas. No final de Kaliyuga, o mundo terá apenas um Varna (uma classe).


33. As esposas não cuidam de seus maridos. Homens e mulheres comem o que desejam.


34. As pessoas se adornam com as marcas de um Sadhu (homem santo, praticante hindu), ou seja, haverá uma profusão de sadhus falsos.


35. A comida (cozida) será vendida em todas as vias principais (de acordo com os shastras (versos que esclarecem as escrituras sagradas), a venda de comida cozida é um pecado; isso porque todos têm direito à comida, quer tenham dinheiro ou não).


36. Quando Kaliyuga está totalmente avançado, cada um agirá como deseja (direitos humanos).


37. Os brâmanes (Sacerdotes) serão oprimidos pelos Shudras (Serviçais) e, portanto, atormentados, os primeiros vagarão por toda a terra em busca de proteção.


38. Shudras (Serviçais) irão expor o Dharma e os Brahmins (Sacerdotes) ouvirão seus discursos e os servirão. Tudo no mundo ficará totalmente de cabeça para baixo.


39. Descartando os deuses, ossos colocados nas paredes serão adorados.


40. Os homens serão viciados em carne e bebidas alcoólicas e serão fracos no Dharma.


41. As chuvas vão cair na hora errada.


42. Vencidos pela carga de impostos, os brâmanes fugirão nas dez direções.


43. Amigos e parentes agirão apenas por amor à riqueza.


44. As mulheres serão rudes e cruéis no falar e adorarão chorar. Elas não seguirão as palavras de seus maridos.


45. Os viajantes em trânsito (hóspedes) pedirão comida e água, mas não as receberão. Eles serão recusados ​​em locais abrigados e serão forçados a dormir nas estradas.


46. As pessoas deixarão seus próprios países e buscarão refúgio em outros países, direções, regiões, etc., e vagarão pelo mundo lamentando 'Ai, pai!', 'Ai, filho.'


47. O gosto mútuo entre o menino e a menina, e não a linhagem familiar ou status social etc., será o critério para selecionar um cônjuge.


48. A trapaça estará na ordem do dia nas relações comerciais.


49. A habilidade sexual será o critério de excelência em homens e mulheres.


50. A única marca do mal será a pobreza.



O que concluir, então? O que fazer diante de tudo isso e como viver se a Era de Kali não está nem próxima da metade de sua duração? Como seres Humanos e, visto que é inevitável tentar mudar o mundo durante esse período tão longo, cujo fim não vamos presenciar, nos resta estarmos atentos, minuto após minuto, nos empenhando ao máximo para sermos seres melhores, com nós mesmos e com os outros à nossa volta.


Cada vez mais se faz necessário que cada um seja consciente de seu papel no mundo, não sendo indiferente aos problemas que nos afetam, mas sim alertas às nossas necessidades e às das outras pessoas.


Não se trata aqui de “amar ao próximo”, uma utopia que as pessoas falam sem pensar no que estão dizendo. Na vida prática, objetivamente falando, temos que, cada vez mais, conhecer a nós mesmos, dentro de nosso potencial e limitações, pontos fortes e fracos. Superando nossas fraquezas, medos, obstáculos e inquietações. À medida que nos livramos de tudo o que nos pesa, nos fortalecemos e nos tornamos mais leves para seguir adiante. Paralelamente, nos tornamos mais capazes de ajudar a quem está próximo de nós. Estaremos desenvolvendo Sabedoria para diferenciar quem merece e pode ser ajudado e quem não deve tomar nosso tempo inutilmente. Essa Sabedoria consciente e clara é o que nos permite praticar a compaixão, tão alardeada e tão sem fundamento quando não acompanhada ela clareza de visão.


Cultivar a Sabedoria, abandonando apegos, a tolice do mundo, as coisas pequenas e mesquinhas que nos prendem à nossa ignorância. Isso é o que podemos fazer, já que não sairemos do Kali Yuga tão cedo e continuaremos em nossa jornada de renascimentos dentro desse período ainda tão longo e conturbado. Fica aqui a orientação de como agir durante a Era de Kali. Que todos possamos ter sucesso em nossa jornada!


Fiquem todos em Paz e protegidos.


Ajahn Sunanthô Therô

25 visualizações

Contatos:

(54) 3244-6027

dragaododharma@gmail.com

Endereço: 

Loteamento Alpes de São Francisco, Rua 3 - 401

São Franciso de Paula, RS - CEP: 95400-000

© 2020 

Criado por Gustavo Pavanello e Thairiny Silva

  • Templo Dragão do Dharma - Facebook
  • Budismo Brasil - YouTube
  • Budismo Brasil - Instagram
  • Twitter