MANTRAS: O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM?

Atualizado: 2 de Nov de 2018


Dàjiā hǎo!


O que parece ser uma única palavra, na verdade é a união de MAN + TRA (repetir + palavra). Portanto, um Mantra é uma ou mais palavras que são repetidas sucessivamente.

Usados há milhares de anos no Hinduísmo, esse método de repetição de uma ou várias sílabas tem como objetivo criar um estado mental que ponha o praticante em contato com os muitos deuses hindús.

De todos os mantras, o mais popular no mundo todo, com certeza é o OM, conhecido como a "sílaba sagrada do Hinduísmo". Na verdade, a pronúncia correta é ÁUM, vinda de um ponto abaixo do estômago, percorrendo o corpo em direção à boca, vibrando nas cordas vocais e, finalmente liberada, termina com os lábios juntos. É o som primordial, considerado como a união de todos os mantras e contém toda a energia do Universo, daí sua importância. OM é usado como isoladamente e também no início de diversos outros mantras. Há quem diga que OM é o nome de deus, mas, em várias Tradições Buddhistas é usado como uma manifestação da energia que nos une ao Universo.


Originário diretamente do Buddhismo (Budismo) desenvolvido na Índia, centenas de anos após a morte do Buddha (Buda), o Mahayána, forma majoritária de Buddhismo (Budismo) que engloba várias Tradições, utiliza a recitação de mantras, o que não ocorre na Tradição Theravada, pois o Buddha (Buda) nunca mencionou a utilização de mantras como prática para alcançar a Iluminação.


Ora, o Buddha (Buda) nasceu e se criou num ambiente totalmente Hinduísta. Estudou todos os rituais, práticas, devoções aos deuses e leitura de textos sagrados, portanto, obviamente ele sabia sobre mantras e, provavelmente, memorizou dezenas deles. Assim, se realmente fosse válida a repetição de mantras para o Caminho da Iluminação, ele os teria utilizado e incluído nos Ensinamentos que divulgou durante 45 anos.

Mas, o fato é que muitas pessoas que seguem o Buddhismo (Budismo) utilizam mantras e elogiam seus benefícios. Outras tantas me perguntam se a repetição de mantras pode ou não ser incorporada ao Buddhismo Theravada (Budismo Theravada) e há também quem se sinta constrangido em me dizer que repete mantras, com medo de ser censurado por mim, que sou um monge Theravada.


Agora, deixemos de lado o "bairrismo de ser isso versus ser aquilo" e pensemos de modo prático e objetivo! Milhões e milhões de indianos, chineses, tibetanos, japoneses, coreanos e tantos outros asiáticos, tanto hinduístas quanto buddhistas (budistas), repetem seus mantras, em vários idiomas e, o quanto eu saiba, nunca ninguém morreu ou se meteu em encrenca por causa dessa prática...


Deixando de lado o aspecto místico e devocional, a Ciência vem comprovando a calma mental e concentração que a prática de repetição de uma palavra ou frase traz. Portanto, teoricamente, não há nada ANTI-BUDDHISTA (ANTI-BUDISTA) na utilização de mantras.


A questão passa a ficar complicada quando, ao invés de buscarmos a calma mental - a fim de iniciarmos a meditação sentada, por exemplo - utilizamos os mantras tentando obter poderes mágicos, invocar seres supramundanos ou fazer contato com divindades a fim de pedir favores. Qualquer prática ou mantra que conduza a este caminho equivocado, com certeza não condiz com os Ensinamentos do Buddha (Buda), portanto, é exatamente aí que "que mora o perigo" no que se refere aos mantras: a má utilização, visando coisas que, definitivamente, não fazem parte do Buddhismo (Budismo)!


Para quem realmente quer se valer de mantras para atingir um estado de tranquilidade mental que facilite a prática da meditação, desperte a Atenção Plena, ajude a localizar e minimizar a raiva onde quer que tenha se instalado e, se comprometendo a verificar, com inteligência e discernimento como está utilizando o mantra, aqui seguem alguns bons exemplos deles, liberados por mim para utilização pelo O-Terá Fǎ Lóng Sì – Templo do Dragão do Dharma (Darma).


1 - OM NAMO SHRI BUDDHÁYA NÁMAHA

2 - GATÊ, GATÊ, PARAGATÊ, PARASAMGATÊ BÔDHI SWAHÁ

3 - OM ARA-PA-TCHÂ-NA DHÍHI

4 - OM SHRI BUDDHA JAI BUDDHA JAI JAI BUDDHA (JAI se pronuncia DJÁI)

5 - SABBE SATTÁ AVERÁ HONTÙ

6 - SABBÊ SATTÁ ANIGHÁ HONTÚ

7 - SABBÊ SATTÁ DUKKHÁ MUTCHÁNTU


Os quatro primeiros mantras são em Sânscrito, os três últimos são em Páli. Recomendo que as pessoas interessadas em recitar mantras, procurem minha orientação para aprenderem a técnica correta. Não se trata apenas de sair repetindo, sem nenhum conhecimento.


Boa Prática!


Wù Hai Shifu

117 visualizações

Contatos:

(54) 3244-6027

dragaododharma@gmail.com

Endereço: 

Loteamento Alpes de São Francisco, Rua 3 - 401

São Franciso de Paula, RS - CEP: 95400-000

© 2020 

Criado por Gustavo Pavanello e Thairiny Silva

  • Templo Dragão do Dharma - Facebook
  • Budismo Brasil - YouTube
  • Budismo Brasil - Instagram
  • Twitter