NÓS BUDISTAS ACREDITAMOS EM ESPÍRITOS?


Sukhí Hôtu!


A resposta é sim! Aliás, eu mesmo já presenciei mais de uma vez, casos que só podem ser explicados através da crença nos "espíritos". Mas, no ponto de vista do Buddhismo (Budismo), esses seres não são "almas", já que esse conceito não existe para nós. São a energia da mente. O que acontece é que, no momento da morte, a mente, por diversas razões - medo, apego à vida, ideia de que ainda não pode deixar a presente existência etc. - se recusa a seguir para o renascimento seguinte e, com essa resistência em aceitar o curso natural, acaba prisioneira entre esta vida e a seguinte.


É como se alguém ficasse preso entre um vagão e o outro, em um trem em alta velocidade! Imaginem a sensação de desespero. Dessa forma, sem entender direito o que está acontecendo consigo mesma, a mente começa a pedir socorro, buscando ajuda. Ela pode procurar amigos que teve em vida, pode atormentar algum inimigo, até culpando ele pelo que está acontecendo ou, simplesmente encontrar alguém que lhe pareça bom e confiável para pedir ajuda.


Essa energia mental não percebe que não somos capazes de ver e ouvir sua presença junto de nós e isso pode ser bem angustiante para essa mente pedindo ajuda com tanta urgência! Isso pode levar a manifestações, na tentativa de chamar nossa atenção. Dependendo da energia dessa mente angustiada tentando contato, realmente, podem acontecer vários fenômenos que, popularmente, são chamados de "assombração", "fantasma" etc. Na maioria dos casos, o que essas situações pedem é a transferência de COMPAIXÃO pela mente angustiada que tenta contato conosco. Não resolve ter medo, muito menos sentir raiva ou tentar agredir. O comportamento ideal é manter a calma e até tentar conversar com essa energia invisível que está tentando nos contatar, explicando que ela deve seguir em Paz para a existência seguinte, sem resistir ao curso natural dos renascimentos.


Praticar ações meritórias, que chamamos de BOM KAMMA (Karma) e transferindo a energia de nossa boa ação, especificamente para essa mente desesperada, é uma boa medida nessas situações. Em último caso, nós monges podemos ajudar, se formos chamados para acalmar e orientar a mente prisioneira entre as duas existências. Vejam o conselho do Venerável Ajahn Jayasaro ("djayassárôo") um dos maiores mestres da atualidade, na Tradição Theravada, a mesma à qual eu pertenço como monge. Confiram!


"O Buddha confirmou a presença no mundo de seres não humanos invisíveis a olho nu. A existência desses seres foi verificada ao longo dos anos por meditadores capacitados que desenvolveram as faculdades necessárias para percebê-los. A grande maioria dos buddhistas que não são capazes de verificar a verdade neste assunto confia nisso. Outros de posicionamento mais incrédulo, reservam seu julgamento.


Os mestres buddhistas consideram que mais importante do que despertar a crença na existência de tais seres invisíveis é incentivar atitudes sábias em relação a eles. O Buddha ensinou que todos os seres, sem exceção, são nossos companheiros errantes no Reino dos Renascimentos e da morte e, como tal, não devem ser adorados ou subornados com ofertas. Nós buddhistas somos ensinados a cultivar uma atitude de respeito e bondade para com os seres não humanos. Ao fazermos isso, eles se tornam amados por esses seres e livres do perigo deles. E se há casos em que fenômenos percebidos como espíritos são simplesmente produtos do inconsciente humano, a mesma atitude gentil é a mais curativa."


- Venerável Ajhan Phra Thêp Jayasaro

(Traduzido para o Português por Ajahn Sunanthô)


#Budismo #BudismoTheravada #Espíritos #Ensinamento #VidaApósAMorte #Renascimento #TradiçãoTheravada #MongeBudista #ExistemEspíritos #BudistaAcreditaEmFantasma #AjahnJayasaro #Espirito #Sabedoria #GrandeMestre

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo